Por que trabalho tanto mas sou cobrado por resultados?

26 de janeiro de 2018
Por que trabalho tanto mas sou cobrado por resultados?
 

Tenho percebido em meus atendimentos, seja em encontros de coaching, nas consultorias ou nas supervisões que faço com meus clientes, uma grande necessidade de preencher “algo que falta” através de um acúmulo de tarefas. Bom, mas de repente podemos dizer com muita propriedade que esse acúmulo de tarefas é uma característica do mercado moderno, onde as equipes estão cada vez mais enxutas e o bom profissional é aquele que consegue executar o máximo de tarefas, com o menor tempo possível e com o mínimo de investimento. O que me preocupa é: Qual é a qualidade destas tarefas? E o pior: é por necessidade ou para preencher este vazio causado pela falta de pensamento estratégico?

Primeiro vamos entender o que nos lança nesta condição de preenchimento do “algo que falta”.

Diferença entre prazer e satisfação:
Prazer – sentimento ou sensação agradável, com curta duração. Uma resposta física ligada a emoções que são geradas no momento. O prazer não preenche, somente gera uma sensação momentânea de contentamento.
Satisfação – sensação duradoura que se tem quando um objetivo foi alcançado, está mais relacionada a razão. É algo que te plenifica pois quando se está satisfeito, não se tem a necessidade de mais nada. Entendo que se encher de tarefas, prometer prazos que jamais podem ser cumpridos, centralizar informações e ações, e outras atitudes como estas fazem a pessoa se sentir um “super herói” ou o “super competente”. E este sentimento é prazeroso. Como faltam competências, falta formação, falta conhecimento e habilidades para pensar e agir de forma estratégica, conseguindo organizar suas rotinas, suas tarefas, delegar com confiança, enfim, ter atitudes que de fato irão trazer um resultado satisfatório o jeito é mesmo preencher esta lacuna com prazer.

Algumas perguntas para a sua reflexão:
Como você avalia sua equipe? Você tem com você profissionais com foco no resultado, ou são pessoas que são extremamente esforçadas, trabalham muito, mas não conseguem produzir tanto assim?

Algumas dicas para trabalhar de forma mais estratégica:
1. Avalie sua rotina e separe o que é execução (operacional) e o que é estratégico. Descubra quais são as alternativas e recursos para que seu trabalho e o da sua equipe seja mais produtivo. A execução deve ser consequência da estratégia adotada.

2. Faça a distribuição das tarefas de acordo com o perfil de cada pessoa da sua equipe, assim, você vai conseguir explorar o potencial de cada um, ter maior produtividade e maior qualidade.

3. Converse com pessoas de outros setores ou outras empresas, novas ideias são sempre importantes para você amadurecer sua forma de trabalho.

4. Envolva sua equipe no planejamento e nas decisões, assim, além de dar espaço para uma nova visão, todos irão se comprometer com o resultado.
Você prefere viver sobrecarregado, sendo levado pela maré ou quer tomar a decisão e ter atitude de mudança para que se sinta realmente satisfeito?

Seguir o primeiro caminho vai fazer de você ou da sua equipe caçadores de prazeres profissionais, trabalha muito mas nunca sai do lugar e ainda se acha no direito de se justificar para os outros dizendo que está dando o máximo. Mas lembre-se que o seu máximo, ou o máximo que sua equipe está produzindo pode não ser o suficiente, você será sempre cobrado por todos.

Seguir o segundo caminho custa coragem, muita dedicação, muito estudo e muito preparo. Exige de você também muita paciência e perseverança. Mas o fruto que se colhe é saboroso.

Este fruto se chama SATISFAÇÃO. Após todo este esforço será natural o pensamento e ação estratégicos.
Qual o caminho você deseja seguir?
DECIDA-SE!

Pablo Magela
Coach e Consultor Organizacional na Kriar Gestão de Pessoas