MEDITAÇÃO NAS EMPRESAS / ORGANIZAÇÕES

05 de junho de 2017
MEDITAÇÃO NAS EMPRESAS / ORGANIZAÇÕES

A meditação no ambiente de trabalho – meditação corporativa

A mente humana esta sempre funcionando de forma agitada, mesmo quando dormimos, pois passa o tempo todo processando diversos pensamentos, estímulos e informações. Assim, nossa mente apresenta-se continuamente turva, embaçada e enevoada. A única forma de conhecer o que realmente existe por trás destas brumas, é deixar a mente descansar, acalmar os pensamentos. A meditação é a única forma de fazer isso totalmente. Pode-se iniciar com uma técnica de relaxamento, visualização, aprofundando o ritmo respiratório e voltando sua atenção para seu interior, fazendo assim a agitação dos pensamentos diminui pouco a pouco. Só quando a mente se acalma que a consciência, a percepção clara, que é o observador da mente, aparece ou desperta. Quando a consciência é desperta, se adquire os maiores talentos, virtudes e sabedoria.

Na medida que sua mente acalma e a consciência desperta, somos capazes de encontrar as melhores soluções aos desafios, assim como ter mais perspicácia e sensibilidade para administrar as emoções e os relacionamentos e também o trabalho. A meditação em si, não é uma técnica de treinamento, adestramento ou controle mental, é sim um estado da mente onde a consciência com seus mais poderosos talentos, virtudes e sabedoria estão sob nossa disposição. Mas para chegar neste nível, é necessárioexercícios de relaxamento, anti-stress, a desintoxicação, purificação mental eemocional, técnicas de ‘empoderamento’ mental, onde tanto o cérebro como a mente são tonificados e dinamizados com energia para ser usado como combustível para alcançar, enfim, o silêncio mental.

Muitos acreditam que deixar a mente ‘vazia’ é torná-la perigosa ou inútil, mas na verdade a mente, com seus pensamentos descontrolados, condicionamentos destrutivos, limitações emocionais, é o nosso maior inimigo. Quando a mente está relaxada, ou seja, os pensamentos cessam, é que o nosso maior amigo, a consciência, que nos oferece infinita sabedoria, mas é cativa da mente agitada e condicionada, pode ser liberta e enfim ser nossa aliada para sempre na solução dos mais infinitos problemas e na realização dos nossos propósitos pessoais e coletivos.

As práticas meditativas não devem ser realizadas como um esforço uma obrigação, mas com muito contentamento, e só desta forma pode haver continuidade.

As pessoas dizem: “mas isso não é pra mim, não tenho paciência, minha mente não para, sou muito agitado(a), há! acho que nao consigo, não”. Pois é esse o sintoma ou prova exatamente que necessitamos e devemos aprender a meditar. Não podemos esperar aprender isso da noite para o dia, pois é reaprender a usar a mente e aprender a usar a consciência, mas é possível para qualquer pessoa que queira praticar.

Todos temos uma capacidade nata de meditar, porém não colocada em prática. Precisamos compreender que é algo a ser aprendido, treinado, assim como aprendemos tudo em nossa vida, desde caminhar, escrever a ter uma profissão e ficar ‘expert’ nela.  Para maioria das pessoas, não é rápido, mas mesmo ainda não estando dominando a prática, já se consegue sentir os resultados, por estranho que pareça. Precisa de paciência consigo mesmo, um pouco de disciplina, vontade em ser verdadeiramente livre  e para isso conhecer  um pouco sobre a mente, a consciência, as emoções e o corpo físico. As técnicas são simples, e os conhecimentos essenciais também. Ser verdadeiramente livre, é livre das obstruções e limitações mentais que é o grande responsável pelo nossos entraves psicológicos, incapacidades, maus comportamentos. É importante também ter conhecimento sobre a nossa mente, percepção, nosso eu, ego, personalidade, sobre nosso inconsciente, etc. mas se não treinamos a mente para a percepção direta da sabedoria interior, não conseguimos esta verdadeira liberdade.

Fonte: http://www.meditacao.org.br/meditacao-nas-empresas-organizacoes-meditacao-trabalho-rh-lideranca/