Como vencer o medo no ambiente de trabalho?

10 de outubro de 2017
Como vencer o medo no ambiente de trabalho?
A melhor maneira de descobrir de onde vêm os medos é escarafunchar a história de sua vida. Na maioria das vezes, ele surgem quando se é criança — e quase sempre é incutido pelos pais ou por experiências de alguma maneira traumáticas. “O medo é aprendido. A criança pequena não teme nada. Ela aprende com os pais, ou na prática, que não pode botar a mão no fogo.” 

O medo existe desde que o mundo é mundo. Até com os nossos antepassados se faziam presentes. O medo também existe entre os animais em sinal de respeito uns para com os outros. E com nós seres humanos não somos diferente, pois o medo está presente antes mesmos de nascermos e está em todos os momentos de nossas vidas, por mais que não concordamos.

Principalmente na área profissional, onde precisamos do trabalho para o nosso sustento, sobrevivência e também nossa família é claro. E por trás de um medo aparentemente banal podem estar problemas mais graves.

Roberto Shinyashiki comenta sobre medo o seguinte:
Sabe aquela história de deixar de viver um grande amor por puro medo de não ser correspondida? Ou então de não realizar o sonho de conhecer outro país por pânico de avião? O mesmo acontece na vida profissional.

Você teme tanto as consequências de suas possíveis atitudes que estaciona sua carreira, pratica a chamada autossabotagem. Percebo que o medo é a palavra de ordem no mundo de hoje. Há o receio de perder o emprego, ser rejeitada pelas companheiras de equipe, não conseguir dar conta das metas do mês, receber uma crítica do chefe, não conquistar clientes etc....

Muita gente vive nesse estado de apreensão e acaba fazendo disso um estilo de vida. E, por essa razão, acontece um fato curioso: como o medo virou uma constante, ficamos com o pé atrás por qualquer motivo, exista ele ou não.

Uma mulher é capaz de imaginar o marido fiel como o pior dos adúlteros. Uma gerente assustada pode interpretar o interesse da funcionária em participar de um congresso (com o objetivo de se aprimorar nas suas funções) como um sinal de que ela está procurando outro emprego. Ou até mesmo de que queria tomar o seu lugar.

Resumindo: o pavor faz com que interpretamos fatos simples como se fossem inimigos monumentais, capazes de arruinar nossos planos.

O livro:A coragem de confiar – o medo é seu pior inimigo, fala bastante sobre esse assunto. Afinal, a insegurança é uma das piores doenças da humanidade. Não estou falando daquele temor saudável, que leva você a ser cautelosa e a se proteger. E sim da incapacidade de dar um passo adiante. 

Não é fácil mudar um comportamento arraigado, um traço de personalidade que se reflete em todas as áreas da vida. Mas dá para observar se você tem minado suas chances de deslanchar por pura falta de confiança nas próprias atitudes e até mesmo nos outros.

Os problemas precisam ganhar a dimensão de desafios a ser enfrentados, e não de enormes impedimentos para suas conquistas. O trabalho deve ser visto como a oportunidade constante de chegar aonde deseja. Além disso, procure tirar esta lição dos otimistas: tenha em mente os benefícios das sua ações em vez de jogar holofotes apenas sobre o que pode dar errado.
 
Michael Jordam, um dos maiores jogadores da história do basquete, certa vez disse: “não acertei muitos arremessos, perdi dezenas de jogos, mas a coragem de errar me levou até o sucesso”.

Portanto, não deixe que a insegurança se transforme em companheira de viagem. No máximo, ela pode ser uma placa na beira da estrada, assinalando um curva perigosa no caminho à frente.

Fonte: 
http://www.administradores.com.br/